• (31) 3532-7078 / (31) 3530-9060
  • contato@otimafarma.com.br
api_modulos/noticia/img/13/2141861695.jpeg

Pacto da Rede de Drogarias ÓTIMA FARMA contra a “empurroterapia”

A Rede de Drogarias ÓTIMA FARMA repudia toda e qualquer prática conhecida como “empurroterapia”. A nossa conduta preconiza o exercício ético e legal da profissão farmacêutica, fazendo cumprir em toda nossa rede de drogarias as diretrizes e conduta do Código de Ética da profissão farmacêutica.
O Código de Ética veda qualquer conduta ou participação em atividade que vise favorecer interesses econômicos em detrimento do bem-estar e da saúde do paciente.  Salientamos, portanto, a nossa responsabilidade ética, legal e sanitária de coibir qualquer atividade em desacordo com as boas práticas que regem o uso seguro e racional de medicamentos.
 
Somos a favor da valorização do trabalho do farmacêutico, do respeito à sua autonomia e pela qualificação técnica dos atendentes de farmácia. Defendemos a remuneração justa e, por isso, não corroboramos com práticas que visem somente o lucro, em detrimento da segurança do paciente.
 
 Lançamos, portanto,  um pacto contra a “empurroterapia”  e contra qualquer proposta que compromete a saúde plena da população. Manteremos nossas ações em favor dos projetos e medidas que possam contribuir para a redução da banalização no uso de medicamentos.
 
Reforçamos a autoridade técnica do farmacêutico como profissional da saúde nas farmácias, seguindo um modelo de farmácia baseado em serviços, sustentável, rentável e ético. Seguimos orientados pela busca de profissionais de confiança em todo nosso atendimento.
 
Por fim, lembramos que a intercambialidade de medicamentos de referência pelos genéricos ou similares é permitida no país como atividade privativa do farmacêutico. Ou seja, desde que não haja manifestação em contrária da parte do prescritor, o farmacêutico está autorizado e deve, nos casos permitidos, sugerir a troca como uma alternativa que visa o benefício econômico do usuário, mantendo e garantindo a qualidade do atendimento. Medicamentos genéricos são um patrimônio da saúde pública no Brasil e o estímulo ao seu uso é uma prática benéfica ao paciente, não devendo ser confundido com a "empurroterapia".